_arquivos de posts marcados com: notas

Do hábito

“O hábito! Camareiro hábil mas bastante moroso e que começa por deixar sofrer o nosso espírito durante semanas em uma instalação provisória; mas que, apesar de tudo, lhe é grato encontrar, pois que, sem o hábito e reduzido a seus próprios recursos, seria o nosso espírito incapaz de nos tornar habitável qualquer alojamento.” Proust, em […]

De desaparecer da vida, perdido nele…

“– A boa gente que aí vai, meu querido amigo, nunca teve destas complicações. Vive. Nem pensa… Só eu não deixo de pensar… O meu mundo interior ampliou-se – volveu-se infinito, e hora a hora se excede! É horrível. Ah! Lúcio, Lúcio! Tenho medo – medo de soçobrar, de me extinguir no meu mundo interior, […]

Field

“Meu leitor não deverá, portanto, se admirar se, no decorrer desta obra, encontrar alguns capítulos muito curtos e outros muito longos; alguns que abrangem apenas o tempo de um só dia e outros, o de anos; em resumo, se minha narrativa parece, às vezes, não sair do lugar e, outras vezes, voar, […] pois, sendo, […]

Vazio

“Um dia você ficará cego, como eu. Estará sentado num lugar qualquer, pequeno ponto perdido no nada, para sempre, no escuro, como eu. Um dia você dirá, estou cansado, vou me sentar, e sentará. Então você dirá, tenho fome, vou me levantar e conseguir o que comer. Mas você não levantará. E você dirá, fiz […]

A vida

“como um comentário de outra coisa que não alcançamos, e que está aí ao alcance do salto que não demos.” Julio Cortázar, em algum de seus livros.

Lembre do tempo, mas

“Quando a sombra do caixilho apareceu na cortina era entre sete e oito horas, e portanto eu estava no tempo de novo, ouvindo o relógio. Era o relógio de meu avô, e quando o ganhei de meu pai ele disse Estou lhe dando o mausoléu de toda esperança e todo desejo; é extremamente provável que […]

O peso do presente

“É preciso enfrentar as coisas como elas são, ele sonhava. Não fugir do peso medonho do instante presente. A filosofia inteira do século se debruça sobre esse instante vazio, ele relembra. O problema é que as coisas – o filho agora, e toda a interminável e asfixiante soma dos pequenos fatos cotidianos que ele acumulou […]

Perto do coração selvagem

“Eis-me de volta ao corpo. Voltar ao meu corpo. Quando me surpreendo ao fundo do espelho assusto-me. Mal posso acreditar que tenho limites, que sou recortada e definida. Sinto-me espalhada no ar, pensando dentro das criaturas, vivendo nas coisas além de mim mesma. Quando me surpreendo ao espelho não me assusto porque me ache feia […]

A névoa

Mis pasos en esta calle Resuenan En otra calle Donde Oigo mis pasos Pasar en esta calle Donde Sólo es real la niebla Octavio Paz.

O tempo, o tempo, o tempo…

“nos intervalos da angústia, se colhe, de um áspero caule, na palma da mão, a rosa branca do desespero (…) o tempo, o tempo, o tempo me pesquisava na sua calma, o tempo me castigava … que súbito espanto, que atropelos, vendo o coração me surgir assim de repente feito um pássaro ferido, gritando aos […]

|
Página