_arquivos de posts marcados com: Cecília Meireles

Adeus, Setembro

Apenas um trecho (que li por acaso) de Canções basta: Quando meu rosto contemplo, o espelho se despedaça: por ver como passa o tempo e o meu desgosto não passa. Amargo campo da vida, quem te semeou com dureza, que os que não se matam de ira morrem de pura tristeza? Cecília Meireles.

Canção

Pus o meu sonho num navio e o navio em cima do mar; – depois, abri o mar com as mãos, para o meu sonho naufragar Minhas mãos ainda estão molhadas do azul das ondas entreabertas, e a cor que escorre de meus dedos colore as areias desertas. O vento vem vindo de longe, a […]

|
Página