/arquivo de June 2010

Amor

“A crueza do mundo era tranqüila. O assassinato era profundo. E a morte não era o que pensávamos.” Amanhã, eu subo o conto de onde retirei esse trechinho. Que conto!

Liniers, el trazo simple de las cosas

Documentário sobre o excelente cartunista argentino Ricardo Liniers (sobre o doc, aqui).

Quadro negro

Wilson Bueno, inédito

“Lembro o dia, Mano – a sala, o almoço, o Pai, a Mãe, a galinhada de domingo. Desde que nos sentáramos imperava em você um rubor, um silêncio, constrangido e inerme, lembro o silêncio, o barulho dos talheres, o Pai comendo de olhos baixos, a Mãe fingindo uma altiva indiferença na qual nenhum de nós […]

Lusíadas

No mar tanta tormenta, e tanto dano, Tantas vezes a morte apercebida! Na terra tanta guerra, tanto engano, Tanta necessidade avorrecida! Onde pode acolher-se um fraco humano, Onde terá segura a curta vida, Que não se arme, e se indigne o Céu sereno Contra um bicho da terra tão pequeno? Final do Canto I d’Os […]

O que quer uma mulher

“?quem é esse homem, meu deus, cara gorda ponte-móvel barriga-de-barril roupas desleixadas sem amigos que gasta as manhãs de sábado lavando o cachorro e o quintalzinho latinhas de cerveja e tira-gostos espetados no palito que gasta as tardes de domingo vendo futebol na televisão latinhas de cerveja e tira-gostos espetados no palito e que dorme […]

História de gente alegre,
João do Rio

A psicologia da mulher alegre

“Você decerto ainda não quis fazer a psicologia da mulher alegre atirando-se a todos os excessos por enervamento de não ter o que fazer?” Trecho do conto ‘História de gente alegre’, de João do Rio, sobre o qual comentei ontem, mas que não consegui subir hoje. Ainda o subirei, mas até lá, pode ler aqui […]

|
Página