/arquivo de February 2010

Strangers

_ _ _

Karim Hamid

__

My boys

_ _ _

O advento do sujeito

O homem tentará explicar que não há como viver sem amar alguém e que esse sentimento possui um peso. Não, não irão entendê-lo, porque o sentimento até pode possuir o peso que for, sim, mas quem mede isso? Ninguém mede isso, você perdeu completamente esse seu juízo? E amar alguém, ora, não se vive sem […]

Intensidade

Novamente, o tempo, mas agora numa de suas faces. O filósofo Henri Bergson dizia que não deveríamos tomar o tempo pelos termos do espaço. Mas isso sempre fizemos e faremos, ao menos desde que relógios passaram a quantificá-lo, semelhante às expressões verbais dimensionando sentimentos. O ponto, aqui, é apenas chamar atenção para a intensidade, que […]

Urgência

A gente pisca os olhos, ajusta o foco, equilibra o branco e, de repente, uma semana depois. Mas essa velocidade toda se deve mais ao que há à volta, do que a nossa própria condição, afinal por dentro vamos devagar. Cada um possui seu tempo próprio e eu conversava sobre isso, dia desses. Só que […]

Reciclando ideias,
por Peter Burke

Believe

Salinger

Salinger was generous with writers he admired, but he was unsparing about those who had what he called “disguises.” He was hard on Kenneth Tynan. “No matter how he stuffs his readers with verbiage, it never amounts to a core of truth,” he said. Tynan bent too much to current hip opinion, he thought. “A […]

A revolução dos idiotas

Entre 9:21 e 9:46, justamente o final do video. A lucidez e serenidade de Plínio Marcos é admirável. Transcrevendo, ele disse que “o homem tá vivendo uma crise de identidade. Quando o homem perde sua identidade, ele não sabe realmente o que ele quer, então tudo nele é maluco. Você veja, o amor dele é […]

|
Página